Nova Prata, 17 de Outubro de 2019

O primeiro passo

O que vale mais, a tristeza real ou a falsa felicidade?
Temos a errônea ilusão que esconder sentimentos considerados ruins nos poupará deles. Que ignorá-los os fará desaparecer de forma mágica. Triste ilusão.
Não existem sentimentos ruins, existem sentimentos humanos, todos eles. E em determinado momento da vida você irá passar por alguns, ou por todos. Ninguém está imune. Pode demorar, mas vai acontecer.
Você vai perder alguém que ama, vai passar por decepções, algum projeto seu não vai dar certo e você vai ter que recomeçar, reaprender, reinventar.
Vai fazer escolhas que depois considerará erradas, vai hesitar, vai cometer erros no trabalho, acordar de mau humor, gostar de quem não gosta de você, se sentir deslocado em algumas situações.
Vai falar algo inapropriado no momento errado, ficar sem ação diante de uma adversidade, vai magoar alguém. E vai ser magoado. Vai querer dar porrada e também se esconder num cantinho para chorar.
Paciência, é a melhor forma de se conhecer, de saber quais são os seus limites.
Não posso dizer não tenha medo. Tenha medo sim, e tenha consciência do que se passa com você e como você lida com o inesperado.
Cuidado com gente feliz demais, segura demais, perfeita demais. A casa arrumada pode esconder um porão cheio de lama.
É preciso saber viver a dor, a tristeza, a raiva. Se você esconder esses sentimentos por tempo demais, quando explodirem na sua cara, não saberá lidar com eles.
O equilíbrio consiste em identificar e deixar aflorar. Não é errado sentir medo, dor e tristeza. Também não é errado sentir raiva. O mundo nem sempre é justo. Sua vida nem sempre será um jardim florido. As dificuldades fazem parte do processo. Você só cresce realmente quando aceita que não está tudo bem. Que precisa remexer a terra para encontrar as sementes.
Deus me livre de passar uma vida sorrindo por fora e morrendo por dentro. Ainda sou uma aprendiz de devolver os sapos engolidos, de destrancar o grito e não prender mais o choro. Aliás, nunca fui muito boa em engolir o choro.
E vale aquela máxima: se ninguém paga suas contas, ninguém tem nada a ver com isto. É um acerto de contas seu com o seu interior. É a sua sanidade que está em jogo.
Detesto quando ensinam meninos a não chorar, meninas a serem educadinhas. Por quê? Como esconder a sua natureza te fará bem? Não criamos robôs. Criamos seres livres com individualidade, com características próprias e diferentes. Estamos aqui para orientar, amar, não reprimir.
E é no reconhecimento de suas fraquezas e imperfeições que você passa a respeitar o outro com as fraquezas e imperfeições dele. E a amá-lo do jeito que é. Eu não sou perfeita e você também não. Não cobre do outro o que você não pode dar.
A empatia é o primeiro estágio do amor.

Veja outros colunistas

Vamos deixar as crianças serem crianças?

Aline Machado Larrosa

Aline Machado Larrosa

[ Leia mais ]

O Corinthians é o melhor time do mundo

Guido Denipotti

Guido Denipotti

[ Leia mais ]

Setembro Amarelo, mês de conscientização contra o suicídio

Aline Machado Larrosa

Aline Machado Larrosa

[ Leia mais ]