Nova Prata, 01 de Agosto de 2021

- em Região

Suinocultores são reconhecidos nas modalidades terminação e creche

A empresa Seara Ana Rech, ligada ao grupo JBS, concedeu a premiação
Adair e Ademir Gotardo
Adair e Ademir Gotardo /

Protásio Alves - Mais uma vez, o setor primário da economia do município é destaque. Agora, são os suinocultores integrados à Seara Ana Rech, empresa do grupo JBS, que têm seu desempenho premiado analisando a conversão alimentar ajustada nas modalidades terminação e creche na cadeia produtiva do setor.

 

Modalidade terminação

Os produtores Dionísio e Deniz Turani, com granja na Linha Oitava Turvo, atuam na suinocultura há 20 anos e no universo de 434 produtores da Seara Unidade Ana Rech conquistaram o troféu Super Agro 2020 e a premiação em dinheiro de R$ 8 mil. Eles também receberam o certificado de primeiro lugar referente ao mês de novembro de 2020.

Pai e filho, Dionísio e Deniz, mantêm 450 animais por lote em um galpão. Por ano, são cerca de três lotes.
Na comunidade Campo Alto, a granja da família Lorenset obteve o primeiro lugar em março deste ano. Agenor, Eva, Fernanda e Cassiano atuam na suinocultura há seis anos e, em dois galpões, alojam 1.440 suínos por lote. A pequena Isadora já acompanha a atividade.

Os irmãos Adair e Ademir Gotardo também foram premiados: conquistaram o terceiro melhor resultado em fevereiro de 2021. Na capela São José, eles atuam no ramo há seis anos e mantêm mil suínos a cada lote em dois galpões.

Na Linha Nona Turvo, a granja de Isaías Prigol também foi premiada por desempenho mensal: segundo lugar em abril de 2019 e terceiro lugar em novembro de 2020. O filho Márcio relata que atuam na área desde o ano 2000 e, em dois galpões, alojam 920 animais por lote.

A premiação por desempenho mensal consiste em certificados e brindes. Os suinocultores de Protásio Alves são unânimes em afirmar que a premiação é o reconhecimento ao trabalho desenvolvido pelos produtores e equipes técnicas, além de ser um incentivo para manter a qualidade.

 

Modalidade creche

A família Cecchin, no Campo Alto, atua no ramo da suinocultura há 22 anos e mantém em dois galpões, 1.500 suínos em cada. A granja de Darlei Cecchin recebeu o destaque mensal em novembro de 2019 e em dezembro de 2020. O trabalho na granja é desempenhado pelo pai de Darlei, o Valmor, e um funcionário.
Na Linha Nona Turvo, uma das paredes de acesso à granja de Amarildo Rosin apresenta vários certificados de premiações mensais dos anos de 2017 e 2018. O mais recente foi conquistado em janeiro de 2021 obtendo o primeiro lugar. Em um galpão são mantidos 1.290 suínos por lote. O trabalho é realizado por Setembrino Gonçalves e mais um funcionário.

O prefeito, Itamar Girardi, ressalta que o reconhecimento aos suinocultores é importante e que o Município mantém políticas de incentivos à produção primária.

- O Município reconhece a importância de todos os segmentos econômicos – comenta o prefeito.

 

A saber

O lote responsável pela unidade de creche faz os primeiros cuidados do animal. Lá eles entram após o desmame, com oito quilos, e permanecem por 42 dias até atingir a média mínima de 20 quilos cada. O suíno sai da creche com idade média de 64 dias de vida.

O lote onde ocorre a terminação é responsável por engordar o animal e compreende a saída dos suínos da creche até a fase de abate, com peso vivo final entre 100/120 quilos. Os suínos entram na terminação com média de idade de 63 dias e saem após 114 dias de alojamento.

Galeria de Imagens
Valmor Cecchin da granja de Darlei Cecchin
Valmor Cecchin da granja de Darlei Cecchin
Setembrino Gonaçalves da granja de Amarildo Rosin
Setembrino Gonaçalves da granja de Amarildo Rosin
Márcio Prigol
Márcio Prigol
Dionisio e Deniz Turani
Dionisio e Deniz Turani
Agenor, Eva, Fernanda, Isadora e Cassiano Lorencet
Agenor, Eva, Fernanda, Isadora e Cassiano Lorencet

13 Jul. 2021, 09:28

Alea: conheça a história desta empresa ousada