Nova Prata, 28 de Setembro de 2021

- em Saúde e bem-estar

Nova Prata contra o mosquito Aedes

Em caso de denúncias ou dúvidas entrar em contato pelo telefone (54) 3242.9914.
A equipe é composta pela coordenadora Dolores Massignam e pelos agentes de combate a endemias: Nely Marinello Conti, Marcielen Frattini, Laura Ansolin, Rosa Bicca, Sonia Vresinki e Arthur Balzan, além da servidora Joselka Omizzolo, que está em licença maternidade.
A equipe é composta pela coordenadora Dolores Massignam e pelos agentes de combate a endemias: Nely Marinello Conti, Marcielen Frattini, Laura Ansolin, Rosa Bicca, Sonia Vresinki e Arthur Balzan, além da servidora Joselka Omizzolo, que está em licença maternidade. /

Nova Prata - A redação do jornal Correio Livre acompanhou o trabalho da equipe da Vigilância Ambiental, que é responsável pelo combate ao mosquito Aedes Aegypti, em um bairro da cidade.
A equipe é composta pela coordenadora Dolores Massignam e pelos agentes de combate a endemias: Nely Marinello Conti, Marcielen Frattini, Laura Ansolin, Rosa Bicca, Sonia Vresinki e Arthur Balzan, além da servidora Joselka Omizzolo, que está em licença maternidade. Os profissionais trabalham sob a supervisão da responsável pela Vigilância em Saúde Municipal, Mariline Luz. O trabalho, atualmente, é realizado por sete agentes, porém, pela quantidade de imóveis existentes no município, a equipe comportaria 14 profissionais.
A jornada de trabalho é de segunda-feria à sexta-feira, das 8h às 12h e das 13 às 17h, com intervalo de 15 minutos em cada turno. Quando, durante o turno, os profissionais não conseguem acessar algum imóvel, em razão dos proprietários não se encontrarem na residência, eles procedem à inspeção em horários alternativos (quinzenalmente aos sábados, pela manhã).
O primeiro foco do mosquito da dengue foi detectado no ano de 2014, o qual foi eliminado em 2015. Em 2018 surgiram novos focos e de lá pra cá o município tem sido considerado infestado pelo mosquito Aedes Aegypti.
Atualmente, o trabalho é realizado através de visitas domiciliares nos bairros Retiro, Área Industrial, São Cristóvão, Sagrada Família, Centro, Santa Cruz, Vila Lenzi, Clivatti, São Peregrino, Coroados, Basalto, São João Bosco, Caravággio e Rio Branco.
Conforme orientação Estadual, essas visitas para Levantamento de Índice de Infestação (LI+T) ocorrem em seis ciclos, conforme protocolo para municípios infestados, sendo que a equipe tem o prazo de 60 dias para finalizar cada etapa.
Em 2018 foram encontrados seis focos do larvas, em 2019 o quantitativo subiu para 18. Nos primeiros meses de 2020 já foram encontrados seis focos de larvas do Aedes Aegypti.
Desde o início de 2018 até o momento foram encontrados focos do mosquito nos bairros Santa Cruz, Área Industrial, São Cristóvão, Centro, Basalto, Clivatti, Retiro, Vila Lenzi, São Peregrino e Coroados.
Nos bairros Sagrada Família, São João Bosco, Caravágio e Rio Branco, até o momento, não foi encontrado nenhum indício da presença do mosquito.
No primeiro ciclo de 2020, 1º de janeiro a 29 de fevereiro, foram visitadas 7.914 casas, 772 comércios e 2.496 terrenos baldios, resultando na detecção de seis focos do inseto transmissor da Dengue, Chikungunya, Zika e Febre Amarela Urbana.
Os agentes alertam que o frio não mata os ovos do mosquito, pois estes permanecem viáveis por até 450 dias em clima seco, aguardando a possibilidade (contato com água) para eclodir e gerar novas larvas.
De 15 em 15 dias acontece a inspeção dos 35 pontos estratégicos: empresas recicladoras, catadores, desmanches, lavagens, borracharias, floriculturas, cemitérios grutas, pórticos, empresas de piscinas e transportadoras, que são os locais mais vulneráveis, ou seja, que podem se tornar criadouros do Aedes Aegypti.
Nas visitas domiciliares, quando o proprietário do imóvel não é encontrado, os agentes deixam recado por escrito reforçando os cuidados para evitar a proliferação do mosquito Aedes Aegypti, ou seja, eliminar todo o tipo de recipiente que possa acumular água e se tornar um criadouro.
“Tem casas em que as pessoas possuem lixos eletrônicos, móveis e eletrodomésticos em desuso no fundo do pátio, sempre orientamos para que as pessoas liguem para o número (54) 3242.8214 para agendar coleta destes tipos de entulhos no setor de Meio Ambiente. As coletas acontecem somente sob agendamento, todas na última quinta-feira do mês” ressalta Marcielen.
Doenças transmitidas
pelo Aedes Aegypti
A infecção por Dengue pode ser assintomática ou ter sintomas graves, que incluem: febre alta repentina, acima dos 39 graus; dores atrás dos olhos, cabeça e articulações; manchas vermelhas e coceira na pele, além de dor abdominal intensa, sangramentos de mucosas, como nariz e gengiva, vômitos e diarreia.
A Chikungunya é assintomática em cerca de 30% dos casos. Seu maior perigo é se tornar incapacitante, causando dores intensas nas articulações por até seis meses após o contágio. Os sintomas da doença incluem: febre de início repentino, dores fortes nas articulações, especialmente tornozelos, joelhos e pulso, dores de cabeça, manchas e vermelhas pelo corpo.
A maior preocupação com o Zika vírus é a sua relação com casos de microcefalia e alterações neurológicas em bebês cujas mães tiveram contato com o vírus durante a gravidez — mesmo que não tenham manifestado sintomas. A doença é assintomática em 80% dos casos, e quando os sinais aparecem, costumam ser brandos, como febre baixa, manchas vermelhas na pele, coceira, dores leves nas articulações e olhos vermelhos. Em alguns casos também pode haver dor de garganta, tosse, vômitos e inchaços no corpo. Não há um tratamento específico para o vírus da Zika e apenas os sintomas são tratados.
“Um dos grandes desafios no nosso dia a dia são algumas pessoas que nos proíbem de pisar no pátio delas e os cachorros soltos em seus estabelecimentos, já levei quatro mordidas por enquanto. Não é só a gente que sofre com isso, é carteiro, o pessoal que vai ler os registros de água e luz”, comenta Nely.
O acesso dos servidores municipais às casas está garantido na Lei Municipal nº 10.344, Artigo 4º, Parágrafo Segundo. A normativa faz referência ao ingresso forçado dos agentes públicos aos imóveis públicos e particulares, em caso de abandono ou de ausência de pessoa que possa permitir o acesso, desde que a situação que se mostre essencial para a contenção do vetor.
Outro problema bastante evidente é o descarte de lixo em terrenos baldios. A orientação à população é que, caso precise descartar algo, não o faça nesses locais, mas sim, que o acondicione adequadamente e dispense para a coleta urbana. Além do mais, a falta de limpeza dos terrenos é cabível de multa.
Outro problema que acontece no inverno é a falta de cuidados com as piscinas, tornando-as locais para a proliferação das larvas do mosquito. Outro problema que vale a pena destacar é a falta de cuidado com ralos de água. A sugestão dos agentes, nesse caso, é envolver o protetor do ralo com meia-calça que permite o escoamento da água, mas impede o acesso do mosquito.
Caixas de coleta e acondicionamento de água da chuva e pneus foram os recipientes onde os agentes no município mais encontraram larvas, conforme o relato da equipe.
“Outro vilão muito comum são os papéis celofane que são utilizados para enfeitar os vasos com flores no cemitério, quando chove ele enche de água e se torna um criador de mosquito, orientamos para que as pessoas furem o papel, fazendo com que a água saia por completo, assim evitando esse acúmulo de água”, ressalta Rosa.
“Pedimos que a população nos deixe entrar nos seus pátios, que prendam os cachorros, eliminem qualquer coisa no pátio que possa acumular água, evitar o descarte de lixos em terreno baldio, pois só vamos vencer essa batalha se cada um fizer a sua parte, se isso não acontecer, vamos continuar andando em círculo, e não eliminando essa praga que se instalou em nosso município”, finaliza Nely
Em caso de denúncias ou dúvidas entrar em contato pelo telefone (54) 3242.9914.

Galeria de Imagens
Nova Prata contra o mosquito Aedes
Nova Prata contra o mosquito Aedes
Nova Prata contra o mosquito Aedes
Nova Prata contra o mosquito Aedes
Nova Prata contra o mosquito Aedes
Nova Prata contra o mosquito Aedes
Nova Prata contra o mosquito Aedes
Nova Prata contra o mosquito Aedes
Nova Prata contra o mosquito Aedes
Nova Prata contra o mosquito Aedes
Nova Prata contra o mosquito Aedes
Nova Prata contra o mosquito Aedes
Nova Prata contra o mosquito Aedes
Nova Prata contra o mosquito Aedes

16 Set. 2021, 16:29

Tradicionalistas pratenses são destaque estadual

10 Set. 2021, 16:29

VAGAS DE EMPREGO