Nova Prata, 01 de Agosto de 2021

- em Segurança Pública

Estelionatos aumentaram durante a pandemia, diz delegada

Contas falsas com perfis de mulheres e adolescentes e envio de fotos íntimas fazem parte dos golpes
Delegada Liliane Pasternak Kramm orienta que, em caso de suspeitas, a delegacia seja consultada
Delegada Liliane Pasternak Kramm orienta que, em caso de suspeitas, a delegacia seja consultada /

Nova Prata - A redação do jornal Correio Livre conversou com a delegada Liliane Pasternak Kramm sobre as ocorrências de estelionato. De acordo com ela, esse crime teve um aumento significativo durante a pandemia, sendo registradas mais de 40 por mês.

- Entre os principais praticados está o golpe dos nudes. Geralmente um perfil falso, com foto de mulher, encaminha uma solicitação de amizade. O homem (a vítima) aceita, começam as conversas e passam a trocar fotos, incluindo íntimas. Isso também acontece com pessoas do mesmo sexo. A pessoa que envia a solicitação diz ser menor de idade e começam os pedidos de dinheiro.

Primeiramente, comenta que um familiar seu descobriu as conversas e quebrou o celular, sendo solicitado um novo aparelho. Depois, vem o pedido de depósitos financeiros para o parente não denunciar e por fim são criados perfis falsos no WhatsApp, utilizando imagens de Delegacias de Polícia (DPs) ou de policiais, solicitando dinheiro, com ameaças de prisão e são valores bem altos. Isso nos deixa muito preocupados, pois geralmente são presidiários que praticam o crime e este dinheiro será utilizado na criminalidade. Em Nova Prata, um homem pagou mais de R$ 100 mil. Além disso, várias vítimas já estiveram na DP desconfiadas e solicitando ajuda, o que é muito positivo, pois podemos auxiliá-las antes de efetuarem os depósitos - comenta a delegada.

Outro crime ligado ao estelionato é o do envelope vazio, onde acontece a venda de algum produto, o criminoso faz um pagamento falso, inventa uma desculpa que não conseguirá passar buscar a mercadoria, sendo que um terceiro, retira a mercadoria. Este apenas faz o transporte e embora tenha participado da fraude ou seja a própria pessoa que efetuou a negociação, se diz mero transportador de aplicativo, assim prejudicando uma prisão imediata.

- Por isso, a necessidade de efetuar vendas seguras, entregar o produto mediante pagamento em moeda, no ato, PIX ou aguardar compensação - frisa Liliane.

 

“Em Nova Prata, um homem pagou mais de R$ 100 mil. Além disso, várias vítimas já estiveram na DP desconfiadas e solicitando ajuda, o que é muito positivo, pois podemos auxiliá-las antes de efetuarem os depósitos.”

— Liliane Pasternak Kramm, delegada

 

Outra situação que vem acontecendo, de acordo com a delegada, são criminosos se passando por pessoas que trabalham em banco. Estes ligam, questionando se a pessoa fez determinada compra, com um valor elevado. A vítima, preocupada, nega. Então, o criminoso diz ser necessário fazer o recolhimento do cartão e apresenta as características da pessoa e do carro que irão buscar. Eles levam um envelope pardo, fingindo que o cartão ficará lacrado. Algumas pessoas, inclusive, entregam a senha também.

- Os bancos não mandam ninguém na casa das pessoas. É necessário se atentar para essa questão. Se surgir alguma dúvida, ligue em horário comercial para a sua agência bancária ou à DP solicitando informações - menciona.

A delegada também fala sobre a clonagem de WhastApp, que está sendo muito recorrente.

- Quem precisa de dinheiro emprestado, não faz esse pedido através do aplicativo, mas pessoalmente. Esse é o primeiro detalhe para ficar atento. Este crime é praticado de qualquer lugar do Brasil, por isso, antes de fazer o depósito, é necessário verificar de onde é a agência. Qual motivo de um amigo seu estar solicitando dinheiro e o depósito se direcionar para uma conta sediada em Fortaleza ou São Paulo, por exemplo? São cuidados que fazem a diferença para não cair em golpes - fala a delegada.

Liliane ressalta a importância das pessoas saberem sobre os diferentes golpes, que são amplamente divulgados pela imprensa, e ter cautela antes de agir.

13 Jul. 2021, 14:18

Alea: conheça a história desta empresa ousada